O que fazer em São Thomé das Letras (MG)

Primeiro dia em São Thomé das Letras

Primeiro prepare-se para a estrada. Saindo de Tiradentes pegamos uma estrada de terra até chegar em São Thomé. A estrada é longa, deserta e com uma poeira vermelha que fará seu carro parecer que participou de um rally. Há opção de seguir por asfalto mas é bem mais longo.

Logo na entrada da cidade, no portal, há o famoso letreiro com o nome da cidade, não deixe de tirar foto no local. No portal fica um pessoal monitorando a entrada de turistas pois como a cidade é pequena e bastante procurada para trilhas, acampamentos e passeios, eles se preocupam com a lotação, por isso é bom já ter reservado sua pousada e mostrar o comprovante de reserva.

Para quem está de carro irá sofrer um pouquinho nas ruas estreitas, ladeiras e chão de pedra, mas não é pedrinha não, são pedras enormes. Logo que você entra na cidade percebe a magia do lugar, muito misticismo que fica evidenciado nas fachadas e decorações das casas e dos comércios.

Fomos direto para a pousada Duende Feliz, onde ficamos hospedados. O dono bastante atencioso e a pousada super confortável, limpa e agradável. Como todo lugar de São Thomé a pousada tem muitos elementos místicos, a exemplo do ateliê onde a dona fabrica duendes, bruxinhas e várias outras coisas, não deixe de pedir para conhecer. A pousada tem ainda um papagaio muito esperto e cães super carinhosos, eles ficam presos uma parte do tempo mas se quiser interagir com as “feras” é só pedir.

Após nos instalarmos na pousada fomos para o nosso primeiro passeio, a Ladeira do Amendoim. Local imperdível se você estiver de carro, pois é nessa ladeira que o carro ao invés de descer ele sobe sozinho. É isso mesmo, basta desligar e deixar em ponto morto o carro e ver a mágica acontecer, nós duvidamos disso mas logo vimos que era verdade. Imperdível!

Saindo da ladeira do amendoim fomos até o Vale das Borboletas, um lindo lugar com cachoeiras, trilhas, lojinhas de artesanato e restaurantes, o local leva esse nome pois dizem que por lá tem muitas borboletas, nós vimos algumas mas ainda não era a época delas aparecerem aos montes. Fomos de cara conhecer a Cachoeira das Borboletas, lugar lindo mas de águas geladas. Em vários locais da cidade você vai perceber algumas pirâmides de pedras, essas pirâmides são feitas por visitantes, pois reza a lenda que ao colocar a pedra você pode fazer um pedido que este se realizará. Na cachoeira não é diferente e foi lá que coloquei minha primeira pedra.

O restaurante mais famoso do Vale é o Borboleta Azul, os preços dele também são um pouco mais altos, por isso optamos por almoçar no restaurante Vale Encantado. Comida caseira preparada num fogão a lenha, super saborosa. Recomendo.

Agora era hora de conhecer o famoso pôr do sol da cidade. Um dos pontos mais visitados de São Thomé é a Casa da Pirâmide, é lá onde muita gente, principalmente jovens, se reúnem para curtir o pôr do sol. É importante dizer que São Thomé é cidade mística, livre de preconceitos. É comum nesses locais o pessoal passar vendendo culinária cannabis, isso mesmo, tem pastel, brownie, bolo… assim como é comum ver muita gente fumando, então vá com a mente aberta, até porque ninguém vai lhe obrigar a consumir. Se não curte é só ignorar e curtir. Na casa da pirâmide e em seus arredores é comum ver.

Como tivemos coragem e disposição para tentar ver o pôr do sol de cima da casa da pirâmide, fomos para o cruzeiro, que fica bem próximo, bem ao lado. Lá é sensacional para apreciar o pôr do sol, uma vista linda, além de ser menos turístico que a casa da pirâmide, portanto, um pouco menos movimentado. O pôr do sol é uma atração à parte, ele parecia subir ao invés de se pôr, nunca tínhamos visto nada igual. São Thomé realmente é um cidade mágica.

Após o espetáculo do pôr do sol fomos caminhando até a cidade. Aqui uma dica importante, nada de sandália, rasteirinha, salto então, nem pensar! A cidade é toda de pedras e ladeiras, muito mais que Tiradentes, então tênis é a opção perfeita.

Ao caminhar até a cidade encontramos uma das figuras de São Thomé o Moranguinho do Nordeste, ele anda com seu carrinho de frutas equipado com caixas de som tocando músicas e alegrando os visitantes. Com certeza você irá se deparar com ele.

Pelo caminho aproveite para ver as lojinhas com duendes, alienígenas, bruxas, filtro dos sonhos… É uma cidade cheia de magia. Preste atenção em cada detalhe, como na fachada da padaria onde um tem o desenho de um ET segurando um pão por exemplo.

Para jantar escolhemos o restaurante Jardim Secreto, de fato parece mesmo com o nome, pois ao entrar pela fachada estreita o local cresce por dentro e você se depara com um restaurante enorme com ambientes diferentes. Por lá ficamos petiscando ao som de uma boa música e aproveitamos para provar o chá legal de cachaça de cogumelo. A cachaça de Cogumelo é marca registrada da cidade, criada por um dos que foi um grande morador ilustre, o cantor e compositor Ventania, que infelizmente quando estivemos lá havia se mudado para a Bahia.

Segundo dia – Nos despedindo de São Thomé das Letras

No segundo e último dia em São Thomé tomamos o maravilhoso café da pousada Duende Feliz. O café é colocado numa área comum onde você pega sua bandeja, se serve à vontade e vai tomar o café do seu quarto. Achei super bacana essa ideia. Em seguida era hora de se despedir dessa cidade encantadora, para finalizar o passeio fomos conhecer a igreja de pedra, lindíssima, não deixe de visitar. Hora de voltar para a estrada e seguir para Monte Verde…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.