Roteiro de 6 dias em Paris

1º Dia – Chegada em Paris – Ópera Bastille / Jantar na Champs-Élysées

Chegamos em Paris por volta das 16h, como estávamos em 5 pessoas, com as bagagens, pagamos uma van no aeroporto para nos levar ao hotel.
Nos hospedamos no Libertel Montmartre Opéra, próximo ao Moulin Rouge, muito bem localizado, perto da estação de Pigalle, de padarias, lojas de lembranças e mercadinhos. Seu quarto é de bom tamanho, confortável e agradável, ótimo custo benefício. Chegamos no hotel por volta das 17h30 e tivemos que correr para tomar banho e trocar de roupa, pois já tínhamos um evento naquela noite, irmos para a Opéra Bastille.

Chegamos 7 minutos atrasados na ópera, então aqui vai uma dica importante, o horário de início do espetáculo é extremamente rigoroso, esses 7 minutos nos custaram todo o primeiro ato no nosso local já reservado, pois como já tinha iniciado, não pudemos ir para os nossos lugares, então fomos conduzidos a um local onde ficamos em pé e com uma péssima visão da ópera, portanto, não se atrasem.

Assim que terminou o primeiro ato, pudemos ir para o nosso local previamente reservado. Não precisa de desespero, o máximo que vai acontecer é ter que ficar desconfortável na primeira parte da ópera. As fotos a seguir foram tiradas do local que ficamos provisoriamente, por isso a distância e má qualidade.

A peça que assistimos foi um ballet de Don Quixote, um espetáculo muito lindo, a orquestra e os bailarinos eram belíssimos. A Ópera Bastille é um teatro gigante e muito luxuoso, a arquitetura, a acústica, o glamour, realmente é uma passeio que vale a pena você incluir na sua ida a Paris.

Quando a peça terminou, fomos passear e procurar um lugar para jantar na Champs-Élysées, aqui vai mais uma dica importante, quando chegamos na Champs-Élysées era por volta das 23h, e foi difícil encontrar restaurante aberto, e os que estavam abertos já não aceitavam mais que entrássemos porque já iam fechar. Era dia 24 de dezembro, vésperas de Natal e gostaríamos de jantar em um lugar bacana pois no dia 25 de dezembro, além de Natal, era também aniversário de minha sogra. Depois de muito procurarmos encontramos, finalmente, um lugar aberto e que nos recebeu, foi o Le Deauville, que tinha um ambiente externo muito agradável e com boa comida.

Vale essa dica, é bom você programar os horários de alimentação, fica difícil encontrar restaurantes abertos fora do horário, por exemplo, almoçar depois das 15h ou jantar depois das 22h. No distrito que nos hospedamos, próximo ao Moulin Rouge, como possui uma vida noturna agitada, fica fácil encontrar tudo aberto depois das 22h, mas na Champs-Élysées, por exemplo, já é um pouco mais complicado. Enfim, o importante é que mesmo com a dificuldade conseguimos encontrar um bom lugar para comer, beber um vinho e aproveitar o resto da noite, comemorar o natal e o aniversário de minha sogra em grande estilo.

Falando em estilo, tá ai um coisa que a famosa avenida tem de sobra. Considerada a mais bela rua do mundo, a Champs Élysées encanta com seus quase 2km de comprimento, cheia de lojas, cafés e muito bem arborizada, parece ainda mais bonita ornamentada de natal. É uma delícia caminhar por ela numa noite fria em Paris.

2º Dia – Disneyland Paris

No segundo dia em Paris nós fomos para a Disneyland, como vocês já sabem temos um post falando só especificamente dos parques, onde vocês encontrarão os detalhes sobre as atrações que fomos, que não fomos e outras dicas importantes.

Em resumo posso falar que a Disney Paris tem uma beleza e glamour que é única, se você é fã, tenho certeza que vai valer muito a pena sua visita e você não vai se arrepender, mesmo já conhecendo a Disney de Orlando, como era nosso caso. A Disney de Paris é menor, mas é linda, diferente e a ornamentação natalina a torna um espetáculo.

Como saímos da Disney após o show de fogos, e já era umas 21h, fomos direto para o hotel, deixamos nossas companheiras lá, pois estavam exaustas.

Fomos comer ali pela região mesmo, como é um local bem badalado durante a noite, é bem fácil encontrar vários restaurantes abertos. Comemos um kebab muito gostoso, bem grande e com um preço bom que terminou sendo nosso companheiro em vários outros momentos.

3º Dia – De Notre-Dame até a Torre Eiffel.

Nesse dia acordamos cedo e fomos tomar café numa padaria que ficava próxima ao nosso hotel. É muito comum os hotéis fora do país não oferecerem café da manhã incluso na tarifa, como é de costume aqui no Brasil. Gostamos dessa opção porque geralmente se economiza bastante comendo em padarias ou comprando em mercadinhos, para nós, já faz parte dos passeios esse esquema. Na verdade na região tinha muita opção para alimentação, mas a padaria que comíamos era a Brioche Dorée, um baguete dava pra umas 3 pessoas, bastava pedir o café, a manteiga e tava tudo certo, no total não dava nem 3 euros para cada.

Enfim, tomamos nosso café e fomos para a catedral de Notre-Dame na intenção de chegarmos cedo e ter pouca gente, além de que esse dia iria ser de grande caminhada porque como os passeios eram próximos tudo iria ser feito a pé.

Pegamos o metrô na estação de Pigalle, e novamente foi muito fácil chegar ao nosso destino. A catedral é simplesmente lindíssima com sua arquitetura gótica, pinturas maravilhosas, esculturas e uma maquete muito linda e bem feita. É um passeio que com certeza deve estar no seu roteiro de visita a Paris. Todo o arredor da Notre-Dame é muito bonito e rende uma ótima caminhada.

A distância entre a catedral de Notre Dame e a Torre Eiffel é de aproximadamente 5 km, mas não se preocupem, dá para ir caminhando tranquilamente pois no trajeto há vários outros cenários para desfrutar e tirar várias fotos. Passamos pela Pont Neuf, onde os casais colocam aqueles cadeados com a promessa de amor eterno, nós deixamos o nosso lá. Também passamos pela Pont dês Arts, onde antigamente era o local desses cadeados, mas que tiveram que ser retirados porque uma parte da ponto caiu em 2014, e ainda passamos pelo Museu do Louvre, a Praça da Concorde, Ponte Alexandre III, Champs-Élysées efinalmente chegamos na Torre Eiffel.

No caminho há ainda vários restaurantes, cafés e bares, ideal para fazer uma pausa e se hidratar, tomar um café, um vinho e almoçar. Há também boas lojinhas para comprar lembrancinhas, uma variedade de coisas sobre Paris, o preço pode ser mais elevado que em outros locais menos turísticos, mas mesmo assim é válido conhecer e aproveitar.

Almoçamos no restaurante Le Presles, comida saborosa e preço justo para o padrão da cidade, chegamos no Campo de Marte por volta das 15h30. Como tínhamos a reserva para a subida na torre Eiffel às 17h ficamos por lá, tiramos várias fotos e esperamos para subir na torre.

A Torre é o maior espetáculo da cidade, mas justamente por isso, é uma atração turística muito disputada, então vale a dica, procurem ir para a torre com o ingresso comprado previamente e, se possível, o que já vem com um fura filas, vale a pena porque elas costumam ser enormes.

Mesmo a opção sem fila você ainda enfrenta algumas bem consideráveis para poder usar o elevador. A vista lá de cima é linda, toda uma visão de Paris. Além do último andar com vidraças também é possível subir uma escadinha até um terraço no topo, se for inverno, prepare-se para o frio, mas não deixe de ir a esse local.

Ao terminar a visita da torre, como já estávamos cansados, voltamos para a região do nosso hotel,jantamos numa padaria próxima e fomos dormir. A região próxima ao Moulin Rouge, onde nos hospedamos, tem muitas opções de restaurantes, bares, padarias e lanchonetes.

4º Dia – Arco do Triunfo / Museu do Louvre / City tour + Passeio pelo Rio Sena

Esse foi um dos poucos dias em toda a viagem, mesmo sendo inverno, que pegamos chuva, por isso, logo depois do nosso café da manhã na padaria, fomos numa loja ao lado e compramos guarda-chuvas e capas.

Prontos para mais um dia de caminhada e preparados contra a chuva, fomos para o Arco do Triunfo, monumento que representa as vitórias do exército de Napoleão. Depois passeamos mais uma vez pela Champs-Élysées, tomamos um cafezinho para esquentar, fizemos compras na GAP, Disney Store e depois seguimos para o museu do Louvre.

Aqui vale a mesma dica que demos na Torre Eiffel em relação aos ingressos, comprar antecipado e com a opção de não enfrentar filar, pois, o número e visitantes é muito grande, e as filas costumam ser gigantescas.

O Museu do Louvre é o museu mais importante da França e um dos mais visitados no mundo. Ele é simplesmente enorme, e os amantes da arte com certeza vão precisar mais que um dia de visita. Na verdade, se você quiser ter a audácia de conhecer todo o museu, acho que precisaria de uns 15 dias visitando-o, mesmo assim, ainda acho que não teria visto tudo rs.

São milhares de objetos divididos em exposições que vão desde a pré-história até os dias atuais. São quadros, esculturas, objetos históricos, múmias. Muitas das mais famosas obras mundiais se encontram aqui, a exemplo da Monalisa de Leonardo da Vinci.

Embora a Monalisa seja talvez a obra mais procurada para ser vista, há muitas outras importantíssimas, como Escravo Rebelde e Escravo Morrendo de Michelangelo,  a Vênus de Milo que foi encontrada no Mar Egeu no século 2 a.C. o Código de Hamurabi, e até os apartamentos de Napoleão III. É uma infinidade em artes, para ter uma noção do tamanho do Louvre vejam a imagem de sua maquete.

Com certeza você deve reservar boa parte de seu tempo para essa visita, se você gosta de analisar as obras, esculturas e a arquitetura nos preciosos detalhes, reserve mais de um dia, caso não tenha tanto tempo, como nós não tínhamos, reserve pelo menos umas 4 horas do seu passeio, porque elas vão passar bem rápido.

Dentro do museu tem lanchonetes, cafés e tudo para seu conforto. Mesmo no inverno, dentro do museu estava quente e vale a pena você ir com uma blusa mais fresca por baixo, provavelmente você vai tirar o casaco e sentir calor, pois é uma boa caminhada lá dentro.

Saímos do museu por volta das 14 horas e fomos almoçar por ali próximo mesmo, vocês encontram ótimos restaurantes. Almoçamos no VIN ET MARÉE – SAINT-HONORÉ, fomos muito bem atendidos, a comida era boa e eles ainda nos deram mexilhões de presentes.

Depois de almoçar caminhamos até a empresa Paris City Vision, responsável pelo city tour pela cidade. A empresa é bem organizada, o ônibus super confortável, o city tour foi interessante, apesar de já termos passado pela maioria dos lugares, foi bom passear com o áudio guia contando a história de cada local, há áudio guia em português.

Após o city tour, o ônibus nos deixou no local onde embarcaríamos para o passeio pelo rio Sena, como era inverno, valeu a pena termos pego o barco fechado, com a parte externa e parte interna, onde podíamos nos abrigar do frio.

Essa é uma boa dica, se for fazer o passeio no inverno, certifique-se de comprar ingresso para o barco fechado. O passeio também possuía o áudio guia em português , que ficava contando a história ao longo do rio Sena. Foi bem bonito passear pelo rio a noite, as luzes da cidade davam um charme especial ao passeio, imagino que o durante o dia também deve ser muito bom.

Ao terminar o passeio pelo rio Sena, um dos ônibus da empresa estava indo para o Moulin Rouge e nós pedimos carona, como tinha espaço eles não se opuseram em nos levar, o que foi muito bom pois nos poupou tempo e dinheiro, além de termos ido com mais conforto.

Descemos no Molin Rouge, passamos na padaria e as três senhoras pegaram um lanche para comer no hotel porque estavam cansadas. Como nós estávamos com muita vontade de comer um crepe francês, deixamos elas no hotel e voltamos para Molin Rouge, onde tinham várias lanchonetes abertas e finalmente comemos nosso crepe, um pouco abaixo da nossa expectativa é verdade, mas estava bom.

5º Dia – Basílica de Sacré Coeur / Palácio de Versalhes / Galeria Lafayette

Como a Basílica de Sacré Coeur ficava próxima ao hotel que estávamos, aproximadamente 1km de distância, nós tomamos café na padaria e fomos caminhando para a basílica.

A basílica fica no topo de uma colina, então para chegar lá há a opção de subir muitos degraus, ou para quem não está disposto ou simplesmente não aguenta por algum motivo, não tem problema, lá tem um bondinho que, na época, custou 5 euros e te deixa lá em cima. As 3 senhoras foram de bondinho e nós preferimos ir de escadas.

A visita vale muito a pena, a igreja é belíssima, de todas que visitamos, tanto Paris como em Portugal, essa foi uma das que achamos mais bonitas, além de que, como lá fica no alto, rende uma belíssima vista da cidade e ótimas fotos. Não é preciso pagar entrada para visitar a basílica, e pela região você encontra vários lugares para tomar café, bares irlandeses e vinhos quentes, que parecia até um quentão que a gente toma no São João rsrs. Essa também é uma atração turística bem disputada em Paris, então vale a pena chegar cedo para tirar boas fotos sem ter muita gente para atrapalhar.

Saindo da Basílica, pegamos o metrô e fomos para o Palácio de Versalhes, de metrô leva aproximadamente 1h e 20 minutos de deslocamento até o palácio.

O trajeto é longo mas vale a pena. Após descer na estação você caminha um pouco até chegar ao palácio. Como não chegamos cedo a fila estava enorme, não tínhamos comprado ingressos antecipados. Neste caso, nós preferimos não enfrentar a fila, pois nos demandaria muito tempo. Mesmo assim foi possível visitar os jardins da propriedade sem enfrentar fila alguma. Você só não vai poder entrar no interior do castelo, ver os quartos, salas, essas coisas.

O jardim do palácio é imenso e muito bonito, os chafarizes, ornamentações e tudo mais, só aí você já vai levar um bom tempo de visita, vai render várias fotos e terá noção da grandeza e a beleza da propriedade.

Na saída do Palácio você encontra vários vendedores daquelas pequenas Torre Eiffel, aqui vale a pena comprar, sai mais barato que na região da torre, eles estavam vendendo 7 chaveirinhos por 1 euro, e ao comprarmos 10 euros de torres, eles nos deram 80 no total. Já em direção ao metrô para retornarmos, almoçamos no KFC que era caminho e depois voltamos para a estação próxima ao hotel.

O hotel também ficava relativamente próximo a Galeria Lafayette, aproximadamente 1,5Km. Fomos até caminhando para aproveitar um pouco mais da cidade, no trajeto você encontra alguns restaurantes e cafeterias.

A Galeria Lafayette é uma enorme loja de departamento, famosa por vender produtos variados das marcas mais queridas dos consumidores.Mas na verdade não gostamos muito de lá, estava muito cheia, desorganizada, repleto de quiosques espalhados na passagem, deixando a circulação um pouco estreita. Também não achamos os preços bons. Resumindo, parecia uma 25 de março de luxo, num dia cheio, mas sem seus preços convidativos. Tanto é que saímos de lá sem comprar nada, nem demoramos muito na visita. Retornamos para o hotel e no caminho paramos para jantar e depois fomos descansar.

6º Dia – Dia livre para passeio.

Esse foi um dia sem roteiro definido, queríamos descansar, passear um pouco, fazer algumas compras, almoçar com calma, tomar um vinho, essas coisas.

Nesse caso, primeiro passeamos pelas ruas próximo ao hotel, depois na região de Montmartre tomamos café e fizemos algumas compras por lá, em seguida pegamos o metrô e descemos na estação de Châtelet, visitamos a praça de Saint-Jacques Tower, depois fomos caminhando até a Champs-Élysées, nas ruas paralelas a ela fizemos mais algumas compras, pois há lojas bem mais em conta.

Como estava frio, paramos para tomar café e vinho, depois seguimos até a Champs-Élysées. Compramos algumas lembrancinhas, no caminho pelo Rio Sena você encontra algumas barracas que vendem umas pinturas com as atrações turísticas de Paris que são muito lindas, é uma bela lembrança.

Como nosso voo para Porto saía bem cedo no outro dia, preferimos almoçar, passear mais um pouco e chegar cedo no hotel para descansar, pois de 5h estaríamos indo ao aeroporto.

Deixamos elas no hotel e voltamos para o Moulin Rouge para tirar umas fotos, visitar as lojas, nessa região tem vários sex shops, mais parecem shoppings, vale a visita. Comemos nosso companheiro de viagem, o Kebab, que nos deixou muita saudade, rsrs, era gostoso, barato e bem farto. A entrada do Moulin Rouge custava aproximadamente 90 euros e, apesar de sabermos que era muito bom, preferimos não pagar e fomos descansar para a outra parte da viagem, Portugal.

RESUMO

Paris é uma cidade linda, um belíssimo passeio, mas confesso que já estávamos com vontade de ir para Portugal, na verdade não foi um lugar que nos recebeu tão bem, o povo é grosso, impaciente e de certa forma mal educado. A impressão que dá é que eles não gostam muito de turista. Além de tudo, você roda e vira se depara com sujeira, mal cheiro de xixi e de cigarro. De forma nenhuma estou dizendo que não vale a pena a viagem, até porque é uma cidade belíssima que lhe proporciona belos passeios, bons vinhos e boas memórias, mas é bom você estar paciente e preparado também para as grosserias, e dessa forma evitar que se estresse e termine perdendo a viagem.

Também é bom você sempre andar atento, pois apesar de ter uma certa segurança para passear, é bem comum se deparar com aqueles “batedores de carteira” que levam seu celular, dinheiro e até passaporte, de forma que você nem percebe. Diante disto, aqui vai uma das mais importantes dicas, sempre ande com seus documentos, dinheiro e cartões numa doleira para evitar esse inconveniente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.